Onde comprar alimentos em contexto de confinamento?

Tenho reparado em enormes filas nas portas dos supermercados, aos sábados de manhã… dia de mercados bio ao ar livre em vários pontos da cidade de Lisboa (no Príncipe Real, no Campo Pequeno, na Feira da Ladra, no Parque das Nações, em Carcavelos, em Almada, Cascais, Loures…) e por isso, é o dia em que frequentemente me desloco a algum deles para comprar um saco cheio de hortaliças e de outros alimentos maravilhosos, viçosos, recém colhidos (no caso das hortaliças) e de produção local.

E penso… apetecia-me ir ali, à fila do supermercado, dizer a cada um e a cada uma: “Vem, hoje é dia de mercado de “alimentos-medicina”!!! E é ao ar livre e não tens (quase) fila!

Entristece-me ver aquele hábito de comprar “alimentos” processados, açucarados, contaminados, muitas vezes sem consciência de quanto nos atordoam e nos debilitam o sistema imunitário, assim como da pegada ecológica e social que têm detrás.

Que pena tantos desconhecerem ou desconsiderarem as benesses dos alimentos reais, tão maravilhosos, tão saborosos que nos dão saúde e alegria, que nos fortalecem o sistema imunitário, que fomentam o equilíbrio emocional e nos enchem de vitalidade!

Quanta saúde e empoderamento de fácil alcance porém invisibilizado…!

Muitas vezes é pelo preconceito de que os “bio” são caros! Pensamento instigado pelas sociedades capitalistas competitivas… E alinhamos nesse afã por gastar o mínimo possível na alimentação, enquanto investimos na melhor marca para objectos que não nos são essenciais.

Mas… e que sejam caros, nem é verdade! Se fizermos uma análise holística vemos que são SEMPRE mais baratos… temos um “barato” de longo prazo, economizando dinheiro e tempo em tratamentos de saúde (pois com os alimentos bio estás a apoiar o funcionamento óptimo dos teus orgãos sem sobrecarga tóxica, prevenindo problemas endócrinos, neurológicos e cancerígenos).

Por outro lado, em relação ao numerário gasto no momento, digo-te: várias/muitas vezes encontrei alguns produtos mais baratos no “bio” que no “convencional” (vegetais, castanhas, sementes, frutos secos…). 

E que outras vantagens encontro nos mercados bio?

– Não têm fila (ou muito menos que num supermercado convencional)

– Estás ao ar livre (e alguns mercados estão localizados em espaços bem bonitos e cheios de arvoredo – é um boa oportunidade para estares ao ar livre neste período com tantas restrições)

– Tens todo o tipo de vegetais, frutas, PANC’s (plantas alimentícias não convencionais), leguminosas, cereais, pão artesanal, flores, etc

– Não tens embalagens, não tens aditivos, nem rótulos com nomes estranhos!

– Só tens alimentos saudáveis, portanto não tens como comprar coisas que corrompam os teus desejos fisiológicos. Num supermercado, acabas por sentir o apelo dos alimentos processados, ricos em açúcar refinado, sal e gorduras trans. Os quais trazem toxicidade ao teu corpo, baixam a imunidade e propiciam a instabilidade emocional.

– “Poupas” em suplementos: produtos biológicos, integrais/inteiros, recém-colhidos são muito mais ricos em nutrientes 😉 vitamina C, A, carotenoides… zinco e outros minerais; quercitina, antocianinas, sulforafanos, entre outros antioxidantes; vitaminas do grupo b (incluindo a afamada b12), etc.

– Quase todos os produtos são nacionais e de proximidade (a maior parte das bancas só vende mesmo produção própria). Consumir produtos sazonais e locais traz também enormes benefícios à saúde e ao ambiente. Naturalmente, as nossas terras, nestas latitudes e nesta altura do ano, não produzem manga, tomate ou pepino, por exemplo! São necessários muitos mais recursos, ou a importação, ou o uso de hormonas e outros tóxicos para os termos nos supermercados nos meses de inverno.

– Apoias pequenos produtores, ao invés de grandes corporações. O dinheiro vai directamente para as mãos das pessoas que vês. Pessoas que trabalham a terra sem a envenenar, que cultivam em modo plural, diversificado, conhecendo os diálogos e amizades que se estabelecem entre as plantas, os insectos e os elementos…  quais guardiães da biodiversidade! 🙏💚🌎

E recorda, o teu consumo é um ato político… vota bem com o que consomes!

Como dizia Agostinho da Silva, “ Eu não quero saber das campanhas eleitorais (…) quero saber das ideias que as pessoas têm e da maneira como depois as vão defender e praticar.”

Caso não tenhas a possibilidade de te deslocar a estes belos mercados podes também fazer a encomenda de cabazes bio directamente aos produtores ou através de lojas de produtos bio.

Deixo-te o link onde te podes informar sobre os mercados bio ao ar livre:

https://agrobio.pt/contactos-produtores-mercados-agrobio/

Cuida-te! Cuida da Terra!

Dicas Detox “Pós-festas”

Iniciámos um novo ano e estamos naquela fase de colocar em prática os novos objectivos, de dar os passos que materializam os desejos lançados.

Não há dúvidas de que, individualmente, estamos a ser chamados a cuidar da nossa saúde, do nosso sistema imunitário, das nossas emoções, dos nossos pensamentos, das nossas relações e do nosso maravilhoso planeta Terra.

Gosto de relembrar que a alimentação é chave para empoderar-nos em todas essas áreas da nossa vida!

Portanto, se faz parte da tua lista de desejos para 2021:

  • ter mais saúde e mais vitalidade
  • se queres praticar uma alimentação mais sustentável, consciente e empoderadora
  • se desejas fazer mudanças nos teus hábitos alimentares, mas não sabes como começar
  • ou se queres perder peso e sentir-te melhor com o teu corpo…

… aqui te apresento umas dicas para abrires caminho a qualquer uma dessas intenções! São conselhos com um carácter “detox”, super simples e eficazes, que te ajudarão a limpar o teu organismo dos “excessos” festivos!

Toma um copo de água com limão em jejum!

Provavelmente não é novidade para ti, mas nunca é demais lembrar este hábito tão simples e benéfico pela sua acção depurativa e anti-inflamatória. Aliás, estudos recentes confirmam os benefícios desta “mezinha” no estímulo do CMM (Complexo Motor Migratório) – mecanismo responsável por limpar o trato digestivo dos resíduos de bactérias, alimentos, etc. Para tal efeito, esta bebida deve ser tomada em jejum, com água morna e deves dar um espaço mínimo de meia hora até à ingestão de alimentos. Basta meio limão, recém espremido.

Enche o prato de verde!!

Acompanha todas a tuas refeições com uma generosa salada, com especial ênfase nas folhas verdes amargas (rúcula, agrião, folhas de mostarda, radicchio, chicória, etc). Os sabores amargos, tão desconsiderados na alimentação industrializada, têm uma importante acção no estímulo às funções hepáticas e ao fluxo da bílis, apoiando a digestão e a detoxificação do organismo. Conta sempre com eles, com os amargos e todos os verdes no geral, em todas as refeições, durante todo o ano!

Repouso digestivo

Deixa o teu sistema digestivo descansar por um mínimo de 3 horas entre refeições e mínimo 12hs de noite! É essencial deixar o organismo desocupado por umas horas (ou dias, com jejuns bem planeados) das tarefas de digerir alimentos, para dar espaço a ocupar-se das funções de eliminação, reparação e regeneração. Digestões consecutivas, mesmo que com pequenas refeições ou snacks saudáveis, interrompem esses processos (nomeadamente o referido CMM ) essenciais à manutenção da saúde.

Hidrata-te bem!

É importante teres ainda mais atenção à ingestão de água, e de outros líquidos, em fases de depuração. A água deverá ser tomada fora das refeições e de preferência morna, sobretudo no inverno! E que água escolher? É um tema um pouco complexo (a desenvolver noutro artigo, futuramente), mas desde já a minha sugestão é que descubras uma nascente de água segura próxima de ti. Existem várias nas nossas Serras! Recolhida e armazenada por ti é sem dúvida a melhor opção em qualidade e sustentabilidade.

Toma infusões depurativas!

A sábia Natureza brinda-nos com muitíssimas plantas com propriedades depurativas e anti-inflamatórias adequadas para estes momentos “detox”. Algumas, talvez as mais famosas para estes fins, são bem amargas, como o cardo mariano, a alcachofra ou o dente de leão. Se para ti são difíceis de tomar podes optar pelas igualmente úteis: camomila, hortelã, urtiga, o próprio chá verde, ou chá de gengibre com limão.

Sumos Verdes

São um excelente auxílio, como aceleradores dos processos depurativos do organismo. Permitem fornecer grandes doses de vitaminas, minerais e substâncias nutracêuticas, sem quase gastares energia digestiva! Se já os conheces este é o momento de os desfrutares. O ideal é substituires o “pequeno-almoço” por um sumo verde, que tenha um efeito depurativo e uma boa concentração nutritiva. Escolhe vegetais / frutas da época e orgânicas, claro.

Deixo-te a receita de um dos meus favoritos nesta época: 2 pêras, 2 ramos de aipo, 2 folhas de couve kale/galega, 1 troço de gengibre.

E… já sabes, se queres depurar deves eliminar o açúcar, os processados, as carnes, os laticínios e os ovos… alimentos de complexa digestão, que trazem muita toxicidade, bloqueiam os orgãos emuntórios e os nossos canais energéticos.

Mais… Respira ar puro, apanha Sol, faz passeios na natureza! Solta e expressa a tuas emoções, através da escrita, da dança, da voz, da pintura… Desliga a tv! Cuida das tuas relações, com os que te rodeiam, com a Terra, com a Vida! Conecta com o amor incondicional! Sê grat@! Sê feliz!

Ressignificando a Nutrição

A nutrição é a disciplina que se encarrega de estudar o efeito dos alimentos no nosso corpo, com o objectivo de nos ajudar a suprir carências e a manter a saúde. Ela identificou nutrientes, analisou os seus papéis biológicos e as necessidades dietéticas humanas, no entanto, enquanto ciência, excluiu uma visão holística do alimento, normalizando-se o desconhecimento sobre de onde vem, como se obtém e quanto isso repercute na sua qualidade biológica e energética.

A nutrição evoluiu intensamente como ciência ao longo do século passado, num caminho aliado aos progressos da indústria alimentar, farmacêutica e ortomolecular,  desenvolvendo um programa reducionista dos alimentos, limitado à quantificação e separação de nutrientes e calorias.

Criou-se assim uma apetência por alimentos transformados, fortificados e por suplementos vitamínicos. Onde pouco ou nada contam a vitalidade, os agrotóxicos utilizados, a distâncias percorridas, o tempo de armazenamento… Basta que a embalagem mencione que tem fibra, que tem proteínas, que tem antioxidantes e que é baixo em calorias para “ficarmos” satisfeitos!

Sabemos ainda tão pouco… ou desaprendemos? Descurámos observar, cheirar os alimentos; saber quem os produz, como são produzidos, se respeitam as leis naturais, que energia integraram…

No entanto, a própria ciência também nos ajuda a reencontrar esse caminho… E graças aos avanços tecnológicos podemos hoje confirmar que os alimentos frescos e biológicos têm mais nutrientes. Podemos até medir a sua vibração através de máquinas kirlian que nos mostram a quantidade de luz presente nos alimentos. E sabemos também que o sofrimento vivido por animais de consumo fica registado nas suas células, tem uma informação química e ela passa para o organismo que a ingere.

Aliando ciência, intuição e sentido comum, trabalho com uma nutrição que não recusa os contributos da ciência sobre a bioquímica dos alimentos, mas integra aspectos relacionados com a energia/vibração dos mesmos e portanto privilegia aqueles que são locais, orgânicos e vegetais, para uma nutrição íntegra, que sana e equilibra, que beneficia amplamente todo o nosso ser, promovendo uma cura efectiva e multidimensional. Uma nutrição para o corpo e a alma (nossos e do planeta).

Se queres saber mais sobre as minhas consultas de nutrição, continue a ler aqui »

O que é a Naturopatia?

É a Medicina Natural de “todos os tempos”! Que utiliza os elementos naturais – plantas, alimentos, água, sol, terra, ar – para o tratamento e prevenção de doenças, com uma abordagem holística do indivíduo.

A medicina era una durante séculos e milénios, ou seja, era toda ela “naturista”, com variantes geográficas e culturais, mas sempre tinha por base aqueles elementos, bem como uma visão holística do ser humano. Hoje, no “mundo ocidental”, destinguimos essa medicina natural, actualmente denominada de “Naturopatia”, da medicina “convencional” ou alopática, que se caracteriza pelo tratamento baseado no sintoma, que recorre a medicamentos químicos de síntese e que centra a sua atenção na luta contra a doença, de uma forma mecânica e isolada, seguindo os critérios da industria farmacêutica.

Acompanhando a evolução dos tempos, a Naturopatia foi-se adaptando e integrando várias ferramentas e modalidades terapêuticas, sendo hoje uma medicina com grande êxito na prevenção e tratamento de variados problemas de saúde, sejam eles agudos ou crónicos. Os tratamentos naturais utilizados em naturopatia actualmente podem incluir: fitoterapia, aromaterapia, dietoterapia, suplementação ortomolecular, homeopatia, oligoterapia, banhos de floresta, hidroterapia, enemas, acupuntura, massagem, etc.

Existe um conjunto de regras – os fundamentos da Naturopatia – que devem estar sempre presentes no trabalho de qualquer naturopata, os quais deveriam ser também a base do trabalho de qualquer médico e terapeuta:

  • actuar sobre as causas da enfermidade – o propósito principal não é suprimir o sintoma, mas ir ao encontro da origem da doença;
  • tratar a pessoa de forma holística, isto é, na sua totalidade – a naturopatia não se centra na doença, mas no indivíduo, em relação com um ambiente, emoções, hábitos, alimentação, etc. Onde cada sintoma, cada órgão, cada emoção faz parte de um todo e não pode ser analisado isoladamente;
  • promover a prevenção e estimular a auto-cura inata a todos os seres, através de ferramentas que vão naturalmente fortalecer o organismo fomentando a saúde – é a “Vis Naturae Medicatrix” (via da cura natural);
  • ensinar a desenvolver uma alimentação e estilo de vida saudáveis;
  • “primum non nocere” – utilizar tratamentos naturais, não tóxicos e o menos invasivos possíveis.

Para ser naturopata estudei anatomia, fisiologia, bioquimica, nutrição, fitoterapia entre outras ciências/terapias… Ou seja, tenho um profundo conhecimento sobre o funcionamento do corpo humano e sobre diferentes técnicas de cura, o que me auxilia nesta missão de te orientar no tratamento e prevenção de doenças, respeitando as leis da Natureza e do teu organismo.

Se queres saber mais sobre as minhas consultas de naturopatia, continue a ler aqui »